Jejum Intermitente X Perda de Massa Muscular

Várias pesquisas científicas indicam que o jejum intermitente é um método eficaz para perda de gordura. Porém, quem alia uma dieta com exercícios de musculação voltados para a hipertrofia se pergunta se esse tipo de jejum pode prejudicar o ganho de massa.

Diversos estudos já foram realizados sobre os efeitos do jejum intermitente na perda de peso. É entre a maioria dos cientistas da área que sem a prática regular de atividades físicas, a perda de peso pode resultar tanto na perda de massa gorda quanto na de massa magra. E isso é válido não só para o jejum intermitente, mas em quaisquer outros tipos de dieta.

Geralmente essa dúvida surge porque sempre ouvimos que seu corpo começa a queimar músculos para obter energia quando você fica mais de três horas sem comer. Você pode estar se perguntando se ficar períodos muito mais longos do que 3 horas sem comer (como jejuar por 16, 24, 48 horas ou mais) prejudicaria sua massa magra. Mas você pode ficar tranquilo, durante a janela de jejum você não vai quebrar músculos como forma de energia.

Na verdade, os seus músculos até podem servir como fonte de energia, mas você tem outras reservas que são muito mais fáceis de serem utilizadas pelo seu corpo como: a gordura e o glicogênio. Lembrando que o glicogênio é a nossa reserva de energia na forma de carboidratos, que fica armazenada tanto no fígado, quanto nos músculos, entre as células musculares. Essas duas reservas são muito mais fáceis de serem utilizadas e, ao mesmo tempo, não prejudicam o seu corpo. Ou seja, você não vai quebrar células musculares e ficar mais fraco para fazer suas atividades e até mesmo para conseguir se alimentar, só porque você está sem comer. Nosso organismo é “muito inteligente”, e não vai querer te prejudicar desta forma, afinal, ele está lutando pela sobrevivência.

Nossos antepassados simplesmente não conseguiam nenhum tipo de comida por vários dias seguidos. Seja porque não encontravam nenhuma presa, ou porque não conseguiam caçá-la, ou porque não encontravam nenhuma árvore com frutas para serem comidas. No período paleolítico, não havia plantações, e não era sempre que existia comida à disposição. Então, nessas ocasiões, se nosso corpo não tivesse a habilidade de conservar a massa muscular e passasse a queimá-la como energia, nós simplesmente iríamos começar a definhar, perdendo justamente a capacidade de ir atrás do alimento. Segundo essa teoria, quanto mais tempo passasse, mais músculos seriam queimados. E quanto mais músculos fossem gastos, mas difícil seria fazer tarefas como caçar, coletar alimentos ou mesmo levá-los até a boca e mastigá-los

Porém, é importante fazer uma observação. Ficar sem comer durante períodos muito longos realmente pode fazer com que você quebre um pouco de massa muscular para gerar energia, ainda mais após suas reservas de glicogênio se esgotarem. Nesse caso, estamos falando de jejuns realmente longos, na ordem de vários e vários e vários dias, e isso não é o que nós estamos tratando aqui. Jejuns ocasionais de até 24 a 48 horas não vão oferecer nenhum perigo à sua massa muscular, especialmente se você treina com pesos e ingere uma quantidade adequada de proteínas durante suas janelas de alimentação.

O jejum intermitente é uma ótima dieta para promover a perda de peso, especialmente a queima de gordura. Pessoas que estão em busca da redução da porcentagem de gordura e aumento da massa magra podem se beneficiar muito do jejum intermitente para alterar a composição corporal. Ainda que muitos mitos sobre a perda de massa muscular durante o jejum existam, quando aliado com uma boa nutrição e a prática regular de atividades físicas, não é observada a perda de músculos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *